terça-feira, 13 de maio de 2008

Eu e o Meu Mundo Chamado Eu!

Galera,

Este será o próximo artigo do Jornal Chega São Paulo! É apenas uma viagem, não se apeguem aos detalhes, hehe.

Eu e o Meu Mundo Chamado Eu – Rodrigo “raTo” Seixas

Blog: www.vermelhoanarco.blogspot.com
e-mail: rodrigoseixas@chegasaopaulo.com


De repente aquele mundo de ilusões desaparece à sua frente, aquele desespero prensando o seu peito já é algo rotineiro.

Você busca informações, você busca soluções, porém tudo o que te dão são apenas “opiniões”. Mas uma vez já me disseram que “opiniões” são diferentes de conselhos, são palpites melhorados. Não devo acatar algo de quem não sabe nem o que está oferecendo.

Não folheio mais jornais, todo aquele sensacionalismo me enoja. Especulam vida de famosos para colocar na primeira página, enquanto um menor delinqüente quebra o vidro do seu carro para te roubar. Mas você se nega a isto. Fica com medo, coloca culpa no semáforo que demorou a abrir, porque não quer enxergar a sujeira na ponta do seu nariz. O que você quer é apenas sorrir, debaixo de um teto sem segurança que vai te engolir. E depois que te cuspir você ficará sem saber como agir, chegando até a regredir.

Não queira saber o que é ver alguém por um prato de comida pedir. Sei que muitos como eu, se negam a dar, porém, num mundo de espertos, de gente que vende terrenos em Marte, em qual mentira devo acreditar?

De frente para a TV eu só ouço bosta, não sei mais o que ver, eu não quero mais te ouvir. O seu carisma popular é em grande escala, mas me ofendo só de ter que olhar para a sua cara. Um povo besta dando lances para um jogo de programa de TV, sonhando em que assim uma BMW vai ter.

Conquistar com trabalho? Demora demais, por que sonhar tão alto se sentado na poltrona eu já consigo engordar? Você engorda com o olho, filho da puta!

Eu quero algo novo, algo diferente, algo que poderemos discutir com toda a nossa gente. Longe de um mundo perfeito eu sei onde estou, caminhando para mais um carnaval em Salvador. Da Bahia eu não tenho nada contra, muito menos com sua gente, o problema é o brasileiro que ainda é muito crente. É crente por sempre acreditar em alguém que nada pode lhe dar, e em mais um futuro agradecer, sem mesmo ter o que comer.

Não estou aqui para causar a discórdia, longe disso, nunca foi minha paródia. Quero apenas viver em paz e perto daqueles que comigo querem estar, para apenas mais uma cerveja brindar, numa sexta-feira em qualquer porta de bar.

Este é meu mundo, o mundo de Rodrigo. Falo bosta pra caralho, mas não guardo comigo. E assim vou vivendo, tentando conquistar um espaço neste mundo, só que ninguém quer me dar.

Mas não tem problema, graças a Deus, Ele me deu imaginação, no paralelismo eu vou caminhando sem direção, pois aqui ninguém vai dizer que estou na contramão.

3 comentários:

. Cáh . disse...

O mundo meu começa nas nuvens da imaginação e se espalha universo à fora. Adoro as brincadeiras da vida. Meu mundo transborda os olhos, exala na pele e em minha respiração...
Nossos Mundos...não podemos chamá-los de Mundo Comum (ah mais não mesmo)...a gente não poderia habitá-lo.
Sempre à flor da pele e repleto de antíteses.
A gente sabe que é aquilo que buscamos e não o que eles são ou querem...
Nossas asas são grandes mas a gaiola é pequena demais!!!
Amo você ratito!
Amo vc e o seu mundo...!!
=D

Adriana disse...

Profundo, hein?!

Entendo sua revolta e desabafo. Mas, tem uma parte do seu texto que achei a mais foda. É aquela que fala que ninguém sabe o que é ter que pedir por um prato de comida.

Ninguém....do nosso mundo "classe média"..ou sei lá que caralho que se chama....sabe o que é realmente passar fome ou frio.

Sei que muitos diriam: "É, graças a Deus, não sabemos o que é isso". Mas, será que Deus realmente quer que alguém passe fome?

Somos um bando de humanos filhos da puta....pq vemos e fingimos que não vemos....e não fazemos nada dando mil e uma desculpas. Eu, pelo menos, não faço nada para mudar a situação do nosso país. Então, será que posso reclamar? Ou delegar a culpa para "Deus"?

Sei lá....esse foi profundo.

Bjs

Daniel disse...

Achei esse texto um de seus melhores. Nem tanto pelas críticas que ali existem, pq a indignação é geral e de certa a forma a mesma de todos nós. Mas sim, pela maneira como vc escreveu, e por algumas palavras usadas que vejo que vc tem lido bastante.

Gostei.

Meu comentário se baseia apenas no Rato escritor e não no conteúdo existente ali.

abs