quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Última Estação: Esperança!


Me sinto vivo, me sinto forte. Nenhum sangue será derramado, não mais. Olhos nos olhos é o que eu quero, sentir o seu cheiro me faz bem. Estou tão próximo que posso até enxergar, aquele mar calmo que está a me esperar.

Cada pétala de rosas que se desmancha em minhas mãos eu consigo sentir o prazer que é te tocar. A cada instante da fragrância que se desvanece no ar, capturo-a como quem não quer deixá-la escapar.

Fico de costas apenas para sentir a brisa, que de certa forma ela faz me acalmar, e de olhos fechados fico imaginando que até você, ela pode me levar. Ah, como seria bom se em uma fração de segundo eu pudesse voltar, segurar em suas mãos, apenas para te ver caminhar.

Não carrego lenços, mas meus documentos estão todos em mãos esperando o dia da minha condenação. De punhos cerrados eu estou sempre de prontidão, pois eu ainda acredito em sua redenção.

Um comentário:

Daniel disse...

Bonito isso!!!
Curti!