terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

.fé.tropical.

Fala Galera, mais um artigo para o jornal "Chega São Paulo!"

Um dos povos mais mistos em religião é o nosso. Somos um país em que a religião deixa, aos poucos, de ser regional e começa a atravessar barreiras e se difundir por entre as diversas classes que, cada uma com a sua parcela, comandam o nosso país. Isto pode ser tratado também por uma questão cultural e comportamental, visto que todos nós agimos em relação àquilo que nos move.

Somos movidos pela nossa fé, independente de qual seja. Olhando um pouco para fora, mas também ao nosso redor, podemos entender que a fé, aquela que caminha ao lado da religião, passa a ser um tema primordial nos países de 3º mundo. Nós, os subdesenvolvidos, deixamos a religião passar a frente de outros aspectos sobre evolução humana ou até mesmo preceitos mais básicos.

Não entrarei no que tange ao Oriente Médio. Esta, infelizmente, ainda é uma questão subumana, que pior que todos nós, coloca-se a vida de pessoas acima de qualquer outra questão. Triste lermos notícias em que, aos montes, pessoas são mortas em nome de um “deus”, que se é que ele existe, não está nada contente a olhar seus filhos se matando entre si.

Depositamos todas as nossas esperanças em nossa fé, e nos tornamos obcecados por aquilo que o próprio homem criou em seu benefício. O fanatismo gera empregos e lucros astronômicos. Temos medo de dizer em uma conversa ou até preencher algum cadastro informando que não temos ou não seguimos alguma religião. Tudo isto nos foi imposto através do nosso antepassado, já nascemos tendo de freqüentar algo.

O que muitos têm resistência em entender é que nosso cérebro nasce limpo, nascemos puros para tomarmos toda e qualquer decisão que caminha com a nossa alma. Não é porque a sua família segue tal religião que você deve seguir, bem como não é porque seu amiguinho segue tal doutrina que você deve acompanhá-lo. Tudo isso foi criado em benefício de alguém, por trás da cortina, sempre haverá alguém com um charuto na boca cheirando cocaína em notas de cem dólares.

Sejamos mais racionais! Entendamos que se algo te consome é porque não te faz bem, logo porque o torna fanático. O fanatismo nos deixa passos atrás de uma evolução, pois é acompanhado de uma retórica convincente para os fracos. A cada dia em que vivemos nos tornamos mais retrógrados em relação à liberdade propriamente dita. Nos tornamos mesquinhos ao crescimento.

Por quanto tempo mais viveremos presos aos ensinamentos folclóricos que aprendemos? Está na hora de colocarmos algumas coisas nos livros de história ao lado do “saci pererê” e darmos mais um passo adiante.

Pensemos nisso de uma forma livre! Sejamos livre!

Rodrigo "raTo" Seixas - 17/02/2009

4 comentários:

Marília PSH disse...

Perfeito.
Sabe que a especie humana é muito estranha? consegue matar a mesma especie por algo que ela nunca viu.
Eu não duvido que Deus exista, pq acredito que cada um temos um Deus dentro de nós, acredito que colhemos o que plantamos e que as palavras tem uma força surpreendente. Eu não acredito em milagres, adão e eva e umas outras coisas que tantos falam por ai.
Mas acredito no poder da fé, seja qual o nome que vc quiser dar a Deus, Jah, Oxalá, Maome. Essa força consegue mostrar e fazer com que o ser humano vá onde quer ir, com uma fé que nem ele sabe de onde tirou. Independente se exista um Deus ou não.
ACHO eu barbaro as religiões e como elas se entrelaçam sem perceber, só acho triste o quanto as pessoas não percebem que não é alguém que faz por elas, porém elas mesmas. Não gosto e não acredito em muitos "mitos e contos" das religiões, mas por outro lado, respeito pq sei que não mudara em nada acreditar ou não.
Acho digno acreditar em algo, porém é deprimente matar, morrer por conta de amor ou fé.
Eu vou misturando dentro de mim várias formas de pensamentos de todas as religiões e no final, é uma fé que só a Marília entende, de todos os anos que vivi e odeio ter que falar o que é errado ou certo, pois isso não existe e sim visões diferentes...
vou parar por aqui, como vc disse no meu, são mtas brejas pra tentar te explicar isso. tomara que role um dia é bom saber como concordamos e discordamos em coisas tão iguais.

Juliana disse...

andar com fé eu vou, que a fé não costuma faiá!
a religião já não sei...mas que me encantam, me encantam:
no candomblé sou filha de oxum!
no catolicismo, sou aparecida e adoro festas de santos!
o espiritismo me intriga, já fiz ate´brincadeira do copo!...
e muitas outras! é bem verdade que meu interesse é maior que meu conhecimento no assunto, mas concordo com a marília: elas se interligam, sem se darem conta! mas não tenho uma que eu siga.. gosto mto do budismo, me dá uma paz que nem acredito, mas não me digo budista, senão seria pecadora.. hahahah... acho que tudo que é exagerado e obrigatório, uma merda! como vc disse: liberdade! e respeito...
beijocas.

Daniel disse...

Eu acredito que o ser humano depende muito mais dele do que de qualquer coisa, mas acredito na fé nos acompanhando tb. É claro, não como muleta, mas como algo positivo, que te direcione, te faça seguir adiante, que te acrescente.

E para seguir adiante vc necessariamente não precisa de fé, religião em si. Você pode enfrentar aquele dia chato que nada dá certo pensando na hora de chegar em casa e dar um beijo gostoso na sua esposa ou namorada. Você pode enfrentar o dia esperando ouvir aquele cd de rock novo que tanto queria ouvir quando chegar em casa. Enfrentar o dia e escrever algo sobre isso e ensaiar no final de semana com sua banda, ou apenas publicar no seu blog. Isso tudo te estimula. Encontrar os amigos e tomar aquela gelada. Mas antes de dormir falar com o seu Deus.

abs

Lucas B. disse...

"a religião é o ópio do povo" K. Marx