quarta-feira, 22 de abril de 2009

.alma.de.guerreiro.

Proporcionalmente inverso àquele guerreiro que solta seu escudo e tira a sua armadura, ele segue a passos largos rangendo os dentes, sempre em direção, esmagando todos à sua frente como um bom combatente deve ser. Sem ter medo de o amanhã não acontecer, de o raiar do sol não puder ver, ou então ficar com medo de ver seu próprio sangue escorrer.

Olhando para o horizonte, mesmo com o sol de frente, numa posição estratégica em que dificulta a visão, seu cajado é segurado com força extrema, sentindo o suor escorrendo pela testa, enrugada de fúria misturada com êxtase para chegar ao seu destino, no meio de mortos e feridos.

No meio do seu dia olhando para o lado, segurando no peito um último trago, antes de soltar a fumaça que o liberta da fúria e o cura da dor. Aquela sensação que bate no peito e lhe arrepia de medo, também faz sentir o ar fresco da caminhada, mesmo que seja para uma luta armada.

Com a respiração ofegante ele dizia para todos os que o acompanhava, que deveriam ser a mudança que queriam ver, e não os deixavam se confundir a isto. Mesmo com aquele olhar ríspido, ele adorava contar todas as suas batalhas e sempre valorizava as suas vitórias.

No meio da noite, quando todos achavam que o surpreenderiam, ele estava com os olhos cerrados, porém com o ouvido atento. Ouviu-se apenas gritos de lamento junto com o barulho de sua lança rasgando peito adentro. Não mais ouvira a dor, sentiu-se apenas aquele calor de final de batalha, mais uma vitória.

5 comentários:

Fernanda disse...

Seguir em frente... sem ter medo.

Talvez preciso incorporar essa "alma de guerreiro" a minha alma.

Daniel disse...

O espírito guerreiro existe dentro de qualquer ser humano, mas em alguns, às vezes, ele pode estar adormecido, mas nunca morto.

E quando não sabemos vestir a armadura e enfrentar a guerra (a dificuldade), a vida se encarrega de acordar o espírito guerreiro adormecido.
abs

Daniel

ju mancin disse...

we can be heroes
just for onde day...

isso me lembrou o bowie!

ju mancin disse...

one day*

Daniel disse...

Bem lembrado Jú!
Bela e verdadeira canção.
Talvez eu já tenha tido meu dia de herói lá pelos meus 15 anos de idade quando me diziam que eu era um garoto com maturidade de 30 anos.