quarta-feira, 17 de junho de 2009

.[com 30].

Com 30 você cresce, você envelhece, mas não é por estresse. Você sorri mais, você fala mais, mas não se entristece. A vida te cobra você ignora, mas cansa. Pois afinal não adianta, se parar você dança. Você se lembra da infância, num passado sem distância, que derruba uma lágrima na manga.

Como um cristo sem dor você se liberta de todo o seu rancor, se esquece da ganância de todos aqueles que queria manter distância. Você sobe mais um degrau e sempre com um “zap” na mão gritando “meio pau”, pede por espaço, mesmo quando pára para amarrar “os cadarço”.

Você aprende que cozinhar não é só para mulher, e que seu desempenho está sempre nota 10. Que quando era adolescente seu corte de cabelo não era tão diferente, mas que hoje em dia já não usa mais pente. Lembrança dos tempos de moleque? Tens de 1000! E com aquela barba sempre rala na cara, acredita no futuro do Brasil.

As vezes parece que o tempo passa, mas ainda me pego sentado na praça, sentindo o cheiro da mesma fumaça. Acredite! A música ainda te encanta! E feito louco seja no trânsito, em casa, na rua ou no trampo, você ainda canta. Não bebe mais como antes, é fato, é diferente, se apega à sua cerveja preferida e aprecia, não cansa.

Da paciência você perde mais um grau e seu sarcasmo aumenta, num ritmo constante e natural. Dá valor para coisas que antes não acharia normal, e seus comentários do dia-a-dia, já não são mais só sobre futebol. Cabelos brancos? Ainda não terás! A idade “ta na mente”, e correndo dos flanelinhas e dos crentes, anda sempre com um sorriso “nos dente”.

Não fica mais estressado pra sair de um farol vermelho, pois sabe que seu problema agora é o motoqueiro, este, que está sempre querendo mais, seja uma brecha para entrar, ou um espelho pra chutar. Triste situação, que só tende a piorar.

Nos conceitos pré-estabelecidos você não vai mais acreditar, nem com quem ouve a CBN você quer mais falar. Sua cultura lhe indica que superior a este mundo medonho, você sempre deve estar. Não acredita mais em que o capitalismo vai acabar, mas nas eleições com o seu voto, insiste em anular.

É um tempo de mudança, de fortalecimento e de agregar à base todo este conceito. É um tempo de alegria e de saudade demais, por todos aqueles que por algum motivo ficaram pra trás. É também um tempo, tal como os demais, em que você dorme e acorda em paz, olha sempre para trás e agradece por tudo o que é: obrigado meus pais!

3 comentários:

Juliana disse...

que bonito isso!

Drizinha disse...

Caralho....a última frase arrepiou, hein!

Nem vou comentar muito, pois estou em reflexão profunda sobre os 30, apenas gostaria de acreditar que "a música ainda me encanta".

Beijão meu amigo

Daniel disse...

Sinceramente eu não caminho com a responsabilidade de ser alguém mais maduro apenas por estar nos 30 anos. Não senti muita diferença, apenas que profissionalmente me sinto melhor, mas acredito que isso não tem nada a ver com a idade rsrs.

abs